.

.
“Gay não é sinônimo de homossexualidade masculina. É apenas um movimento equivocado, que se acha porta voz de todos os homens que fazem sexo entre si.” Fraterno Viril.

domingo, 23 de dezembro de 2012

Solidão Viril



Caindo na real, sem fatalismos e dramas: a solidão faz parte dos homens adeptos das Tradições Viris (TVs). Geralmente somos isolados, incompreendidos, criticados. Cercados por pessoas, costumes e hábitos que não nos dizem respeito.
Homens com parcerias ou camaradas ao seu redor, ideal e recomendável, escapam um pouco desta sina.
Devemos, o quantos antes, assumir nossa virilidade. Lembremos que as TVs não são um dogma e devem ser adaptadas à vida de cada um. Nosso treinamento (agogê) é árduo e constante, pequenas vitórias devem ser comemoradas. Se conseguirmos manter um mínimo de serenidade diante de aborrecimentos cotidianos, será um grande feito.
A procura de nossos iguais (em cidades pequenas, médias ou grandes) é trabalhosa e algumas vezes inglória. Cidades populosas não são necessariamente áreas de adeptos das TVs. Rio de Janeiro e São Paulo, por exemplo, são fortíssimos focos de gayismo. Raramente recebo mensagens de paulistanos ou cariocas, sejam moradores ou locais. Concluo que nossos adeptos e simpatizantes vivem espalhados por todos os rincões brasileiros, principalmente em municípios pequenos e médios.
Com cautela e bom senso, podemos usar a Internet como aliada. Mas, que fique bem claro: não nos responsabilizamos por nada e nem por ninguém, já que somos naturalmente desconfiados.
Sejamos cordiais, mas não percamos muito tempo com pessoas e grupos que não nos dizem respeito. Melhor viver só, do que ser satélite de gente que nada nos acrescenta. Não precisamos ser ermitãos: basta sermos independentes e sabermos dizer não quando necessário.
Não tenham receio de viajar ou sair a sós, desde que tomem os cuidados de praxe neste violento país.