.

.
“Gay não é sinônimo de homossexualidade masculina. É apenas um movimento equivocado, que se acha porta voz de todos os homens que fazem sexo entre si.” Fraterno Viril.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Movimento Gay: histriônico e patético

Em 2010 o jornal O Estado de São Paulo publicou esta nota, deixando muita gente perplexa:
 
Lições de Arco-Íris
Começam em março, em Campinas-SP, as aulas da 1ª escola LGBT do Brasil.
Em vez de aulas de matemática e ciências, os aluno, entre 12 a 18 anos, aprenderão canto, dança e formação de ... drag queen.
Quem patrocina? O Ministério da Cultura e o governo paulista. Que gastaram juntos, R$180 mil.
Direto da Fonte - Sônia Racy
Caderno 2, página D2, 20/02/2010

 
Não sei se isto foi para frente, mas convenhamos: 12 a 18 anos? Não é muita falta de juízo destes patrocinadores, criadores e/ou educadores deste acinte?
Não basta esta horda de bichinhas inúteis - fofoqueiras - fúteis - maldosas, que brotam como capim em qualquer canto desta terra? Quais são suas perspectivas futuras? Serem “boi de piranha” para fascistas ou servirem de chacota vida afora?
Possivelmente estes sejam os atuais paradigmas gays. E contra fatos não há argumentos, apenas constatações.
Recomendo baixarem todos os 41 números do combativo e pioneiro jornal O Lampião da Esquina (1978-83). São dos tempos em que o Movimento Gay (ou Gay Liberation) era organizado por intelectuais e acadêmicos sérios, comprometidos com a cultura e política.
http://www.grupodignidade.org.br/blog/?page_id=53

Darcy Penteado - Edward MacRae - João Silvério Trevisan - James Green - Luiz Mott - Peter Fry